Retomando as atividades em 2015

icone-produtor-org-editorial

Os últimos três anos foram intensos para a vida cultural no Brasil e, em especial, no Paraná. Espero, se a agenda profissional me permitir, começar a elencar alguns movimentos e campanhas das quais esse blog se engajou. Também será o momento de publicizar algumas vivências culturais na cidade do Rio de Janeiro e espinafrar o óbvio cultural de Curitiba.

Enquanto a Cidade Maravilhosa resiste ao desastre dos megaeventos e de todo o gerenciamento neoliberal da (in)gestão Paes. Na Província das Araucárias, o picadeiro eleitoral de 2016 já começou. Haja visto o último incidente no tal CarnaVibe. De um lado a política tosca de eventos da FUCUCU. Que tem como mote “levar” o acesso à “cultura” para todos. Do outro lado, o xerife do Paraná com a sua truculenta política de repressão. Que tem como mote “levar” o acesso à “segurança” para todos.

Essa confrontação entre Prefeitura de Curitiba e Governo do Paraná servem para duas coisas: 1) exibir a incompetência das partes envolvidas; 2) desviar a atenção para o verdadeiro problema, isso se é que existe um problema; 3) manter até o final do mandato do Fruet a equipe de pulhas que “administram” a FUCUCU; 4) formalizar uma chapa protofascista para disputar a prefeitura no próximo ano; 5) desviar a atenção da crise que o sistema de transporte público da capital e da região metropolitana sofrem.

Dentro das postagens futuras, penso em relatar os seguintes momentos e campanhas: 1) a tensa votação da lei estadual das OS no Paraná em 2011; 2) a confusa Conferência Municipal de Cultura de 2011; 3) a crise do Mecenato de Curitiba; 4) a precária eleição do Conselho Estadual da Cultura do Paraná e o impacto no meio cultural da derrota eleitoral Prefeito de Curitiba, Luciano Ducci, no 1º turno em 2012; 5) a formação da Delegacia da Cultura e a mobilização na Conferência Municipal de Cultura de 2013; 6) o fiasco da Conferência Estadual de Cultura e a campanha #contrafusão da Secretaria Estadual de Cultura com a de Turismo; 7) a criação da FACA e a sua intervenção na Conferência Extraordinária de Cultura de Curitiba em 2014; 8) as dualidades da atual administração da FCC; 9) o fiasco da gestão estadual de cultura do Paraná; 10) a reformulação da ABD/RJ e os embates contra a RioFilme, ANCINE e Superintendência de Audiovisual do Estado do Rio de Janeiro.

Frederico Neto
Coordenador Geral - cinema.wiki.br Difusor Cultural na Sangue TV | 55(41)99132-5995

Leave a Comment

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *